Assim como acontece conosco, a população de cães idosos aumenta a cada dia. Os animais estão vivendo mais agora do que antes: devido à melhoria dos cuidados veterinários e dos hábitos alimentares, a expectativa de vida dos animais de companhia aumentou em 20%. A nova média é de 11 anos, a depender do porte do peludo.

Naturalmente, essa longevidade vem acompanhada de um aumento das dificuldades características da idade avançada. Como consequência, tutores e veterinários precisam estar mais bem-preparados para lidar com as necessidades especiais decorrentes da velhice dos cãezinhos.

Mas como saber se meu cão já entrou na terceira idade e como identificar os primeiros sinais?

Geralmente, cães de raças pequenas são considerados idosos aos 7 anos, enquanto cães de raças grandes, que tendem a ter um tempo menor de vida, já podem ser considerados idosos aos 6 anos.

Cães idosos utilizam a massoterapia canina como terapia complementar

Fonte: Royal Canin do Brasil | O que significa um cão idoso? Disponível em www.royalcanindobrasil.com.br/pet-news/o-que-significa-um-cao-idoso

O sinal de velhice que mais facilmente percebemos são os pelos grisalhos no focinho e ao redor dos olhos. No entanto, precisamos estar atentos não só a mudanças na pelagem como também a alterações funcionais e psicológicas que ocorrem dentro do cão.

Como tutor, você tem um papel fundamental na detecção de sinais precoces de doenças ou alteração comportamental. Se o seu animal de estimação estiver apresentando alguma das mudanças comportamentais listadas abaixo, entre em contato com seu veterinário. Com esse cuidado, você poderá proporcionar ao seu cão uma vida mais longa e mais agradável.

Fique atento às seguintes alterações de comportamento em animais mais velhos:

  • Aumento da reatividade a sons
  • Aumento da vocalização
  • Confusão
  • Desorientação
  • Diminuição da interação com seres humanos
  • Aumento da irritabilidade
  • Diminuição ou perda da resposta aos comandos
  • Aumento da agressividade
  • Aumento da ansiedade
  • Atividade repetitiva
  • Mudança no ciclo de sono

Doenças e limitações comuns em seres humanos que também acometem os cães idosos:

  • Câncer
  • Doença cardíaca
  • Doença do trato renal / urinária
  • Doença hepática
  • Diabetes
  • Doença articular ou óssea
  • Senilidade
  • Fraqueza / dificuldade de locomoção

Foi observando esses sinais e agindo com rapidez que os tutores Ana Fernandes e Rafael Tortella puderam retribuir os anos de alegria que sua cadela Tica lhes proporcionou com brincadeiras, objetos pessoais destruídos, calçados roídos e muitas outras peraltices. Hoje com 15 anos, Tica enfrenta algumas dificuldades da velhice em seu dia a dia.

Por se preocuparem com a qualidade de vida de sua companheira, Ana e Rafael foram além dos métodos convencionais: simultaneamente ao tratamento veterinário habitual, buscaram terapias alternativas que contribuíssem para a saúde emocional da Tica (e, por consequência, para a deles próprios!). A ciência ainda não é capaz de explicar esse fenômeno, mas os tutores parecem ser capazes de perceber quando seus cães experimentam emoções semelhantes às humanas, como depressão, tristeza, ansiedade, traumas, timidez e agressividade.

Cães idosos utilizam a massoterapia canina como terapia complementar

Tica, uma senhorinha de 15 anos, na sessão de massoterapia canina da AnimaTherapy.

A massoterapia serve como uma forma de transmitir amor e compaixão ao cão idoso e, assim, promover seu bem-estar emocional. Ela também traz inúmeros benefícios físicos, é claro. Mas não subestime o poder da construção do vínculo emocional que acontece durante a massagem. Participar de uma sessão de massagem voltada para cães idosos pode ser uma experiência mágica para você e seu fiel companheiro. Para o massoterapeuta, a consciência de estar proporcionando um momento de alívio, conforto e bem-estar para o cão e para o tutor é algo quase indescritível.

Cães idosos utilizam a massoterapia canina como terapia complementar

A tia The, massoterapeuta canina da AnimaTherapy, cuidando das articulações da Tica.

Se você nunca havia pensado na massagem como uma terapia alternativa e cooperativa para o seu cão idoso antes, é hora de dar uma olhada no depoimento da Ana, tutora da Tica:

Foi em 1999 que encontrei na rua a Tica e sua irmã Bola ainda filhotinhas. Abandonadas e sem ter onde ficar, não tive dúvida, levei as duas para casa.

Cães idosos utilizam a massoterapia canina como terapia complementar

Tica e Bola | Arquivo pessoal

Elas passaram a vida toda em nossa casa no interior, que tem um quintal bem grande. Depois de um ano, a Paola – nossa Weimaraner – se juntou à trupe. As 3 passavam o dia correndo e brincando. Tiveram uma juventude bem ativa, subindo e descendo barrancos!

Cães idosos utilizam a massoterapia canina como terapia complementar

Um pedaço da Bola e da Paola brincando! E a Tica só no descanso… | Arquivo pessoal

Com o passar do tempo e a idade pesando, as três já não corriam tanto e descer até o portão de entrada da casa já era mais difícil. Quando passaram a precisar de cuidados médicos mais rotineiros, foram trazidas para São Paulo para que nós pudéssemos acompanhá-las de perto.

Cães idosos utilizam a massoterapia canina como terapia complementar

A vida boa da Tica! Arquivo pessoal

Tica perdeu suas companheiras e agora, aos seus 15 anos, a velhice chegou. Sua disposição diminuiu, os músculos atrofiaram e problemas cognitivos decorrentes da idade dificultam sua locomoção.

Buscando o que fosse possível para melhorar qualidade de vida dela, encontramos a AnimaTherapy. Quem nos apresentou foi a Mari K., uma amiga queridíssima, que aliás deu de presente para Tica as primeiras sessões! Devemos agradecer muito por este presente, porque a melhora da Tica após as visitas da Themis é impressionante! Percebemos que com estímulo da massoterapia ela fica mais ativa,mais disposta, seu equilíbrio melhora e com um olhar mais esperto.

Você já viu um cachorro que não faz questão de carinho? É a Tica! Ela sempre gostou de estar por perto, mas não pedia tanto carinho como as outras cachorras. Às vezes, ao encostar a mão, ela se levantava e ia dar uma volta. Mas a Themis tem alguma magia nas mãos que a deixa super relaxada, dorme profundamente, e assim consegue manipulá-la conforme quer.

Cães idosos utilizam a massoterapia canina como terapia complementar

Tica idosinha, e amada, como sempre! | Arquivo pessoal

Estou superfeliz e satisfeita com o tratamento. A Themis, além de ótima profissional, é uma excelente pessoa e percebemos que ela realmente ama seus sobrinhos (como chama seus pacientes). Sempre muito atenciosa, tira todas as nossas dúvidas, passa bastante informação e dá excelentes dicas para facilitar a vida da nossa velhinha!

Nosso único arrependimento é não ter conhecido a AnimaTherapy a tempo para aplicação na Bola e na Paola. Elas adorariam!

Ana Fernandes, tutora da Tica

Cães idosos utilizam a massoterapia canina como terapia complementar

Ana, Rafa e Tica hoje! | Arquivo pessoal

O depoimento da Ana reforça o que vem sendo dito até agora: os benefícios da massoterapia são físicos e mentais. Assim como acontece com você, o comportamento e estado emocional do seu cão são diretamente influenciados pela forma como ele se sente fisicamente. Por meio da redução de atrofias, dores e desconfortos nos músculos, programas de massagem ajudam a manter o tônus muscular, a amplitude de movimento e a flexibilidade. Mas o efeito vai além disso: quando um cão em declínio recupera sua capacidade de realizar atividades cotidianas, o resultado final da massagem é um ajuste emocional.

Cães idosos utilizam a massoterapia canina como terapia complementar

A Tica aprova a massoterapia canina! Só não aprova quando a tia The vai embora!

Enfim, os efeitos terapêuticos da massoterapia atingem tanto o cão quanto o tutor, que se sente realizado ao ver seu cãozinho respondendo ao tratamento e recebendo o que há de melhor: carinho e amor!

Dê seu like e compartilhe!
error: Content is protected !!