Com que idade um cão se torna idoso?

A expectativa de vida das pessoas tem aumentado a cada década, e para os cães a realidade não é diferente. Com a melhoria constante da medicina veterinária, suas especialidades e terapias complementares, a expectativa de vida dos cães atualmente está, na média, em 11 anos. Ainda assim, alguns problemas permanecem. Nós, humanos, temos consciência da nossa chegada à melhor idade, e não temos nosso envelhecimento rigidamente condicionado por traços físicos (isto é, por nossa altura, por nosso peso ou pela cor de nossos olhos). Para os cães, por outro lado, a situação é bem diferente.

Você deve estar se perguntando: a partir de qual idade o meu cão é considerado idoso? Como saberei efetivamente se meu peludo já é um senhorzinho ou uma senhorinha? Posso me basear naquele famoso cálculo em que cada ano vivido por um humanoide equivale a 7 anos para os peludos? Não, definitivamente essa conta não lhe dará uma base correta para você se prevenir com relação à saúde do seu cão, pois ela não considera algumas diferenças existentes entre as duas espécies. E essas diferenças influenciam diretamente no envelhecimento dos cães.

Dentre elas, uma das mais importantes é a influência do tamanho: os baixinhos têm uma expectativa de vida maior em relação à dos grandões. Claro que também existem semelhanças: assim como acontece conosco, a genética influencia bastante. Alguns cães podem envelhecer mais cedo, outros mais tarde; alguns vivem mais, outros menos. Além disso, a alimentação, a frequência das visitas ao médico veterinário, o nível de atividade, o controle de doenças e parasitas, e os níveis de estresse também interferem muito na expectativa de vida dos peludos.

Segundo diversos estudos, a melhor forma de mensurar a idade dos cães é por meio do porte e do peso médio. Com base nisso, você saberá o momento ideal para começar a monitorar seu cãozinho. A partir daí, você poderá escolher as medidas adequadas para que ele tenha uma velhice tranquila e, não menos importante, para que você chegue a essa fase bem-preparado, financeira e emocionalmente!

Sabendo a idade que marca a chegada do cão à idade avançada, os tutores devem passar por algumas etapas, como:

  1. Treinar os olhos e o senso de observação para identificar os sinais, as alterações físicas e emocionais, bem como suas evoluções;
  2. Informar-se sobre as doenças que acometem os velhinhos com mais frequência;
  3. Preparar a casa para o cão idoso;
  4. E, principalmente, buscar terapias complementares que possam oferecer qualidade de vida ao cão idoso.

Tudo isso tem o fim de garantir ao peludo uma velhice digna, livre de dor e repleta de compaixão. Acesse a parte 2 do post e confira as etapas seguintes, clique aqui!

 

 

 

 

 

 

 

Referências Bibliográficas:

  1. Sala. Salvador Cervantes; Geriatria Canina e Felina – manuais clínicos por especialidades; 1a edição São Paulo: MedVet, 2014. 296 p.
  2. Shojai, Amy; Complete car for your aging dog; 2a edição USA: Cool Gus Publishing, 2011. 304 p.
  3. Faculty of the Cummings School of Veterinary Medicine at Tufts University; Good Old Dog – Expert advice Dog Happy, Healthy, and Comfortable; New York: HMH, 2010. 268 p.
Dê seu like e compartilhe!
error: Content is protected !!